segunda-feira, 5 de outubro de 2009

DER: Quando a esperança desaba.

Esquentando o clima para a vinda dos D.E.R. para Curitiba nesse final de semana, resolvi resenhar o famigerado "Quando a esperança desaba", primeiro disco cheio da banda e praticamente obra prima da putrefação sonora feita nas terras tupiniquins. Conheci a banda e as figuras que tocam nela há um bom tempo, lembro-me do episódio em que tocaram em Curitiba pela primeira vez. Era um local chamado Café Capela, próximo à rua Chile, onde dividiram o cubículo com as curitibanas Autocontrole e Política & Purpurina, quem estava vivo nesse tempo, pode recordar do clima de insanidade que havia nesses contextos.

O disco "Quando a esperança desaba" virou lenda pra mim, mesmo antes de sair do forno. Quando fomos ao Estúdio DaTribo em São Paulo gravar com o Ayat Akrass já começamos a ouvir as histórias da captação desse disco do DER. Bernardo Pacheco tinha optado por fazê-la no modo analógico, usando o equipamento do estúdio, contando com co-engenharia de som dos metal-maloca de alta experiência Ciero e Trek. A mixagem foi feita no El Rocha, estúdio desgraçado tradicional de São Paulo também.

Quando o disco chegou na minha mão, tudo se confirmou. O DER toca um grindcore clássico, bruto, sujo, pesado e óbvio, rapidíssimo. A precisão dos blasts do Barata impressionavam desde os idos do Café Capela, imagine como estão depois de algumas gravações, uma coleção de quilômetros rodados pelo Brasil tocando com monstros da podridão como por exemplo os Napalm Death? As cordas são aquela sujeira fina e elegante de se ver. Os vocais, guturais intercalados com os rasgados na medida certa. A captação é também impecável, assim como a arte do disco. Dentro dele, um videoclipe produzido por Pierre Kerchove no melhor clima sombrio.

Assinam o lançamento desse disco quatro selos. Fuckitall (SC), Pecúlio Discos (SP), Cospe Fogo (SP) e Karasu Killer (SP). Parece que há lançamento do disco no Japão também, talvez esse último selo tenha algum representante por lá, mas isso poderemos perguntar pros caras já na sexta.

Eles tocam em Curitiba com uma pá de banda desgraçada no lendário 92º no The Matter of Splatter Festival. Algumas dessas são SUBCUT grindcore das antigas e os Flesh Grinder de Joinville. No sábado, tocam num poket-podreira-show no Bar Dom Corleone, relembrando os velhos tempos do Estúdio Sudamérica, quando por lá tocavam bandas e as paredes sangravam ao som do death metal. Confiram o cartaz abaixo a apareçam nos eventos.

Só pra geral se ligar nos nomes que estão por trás desse lançamento. Pierre Kerchove foi guitarrista do lendário Constrito (SP) e também do Ruína (SP). Foi ele quem assinou a direção do clipe de Convicted in Life do Sepultura e também o clipe do DER que consta nesse disco. Bernardo Pacheco, que assina a produção do "Homem inimigo do homem" do Ratos de Porão também produz o DER. O cara toca também no Elma e Are You God? Duas preciosidades da podridão paulista. Confiram o myspace do DER e abaixo seus vídeos:


VIDEO CLIPE "EMPREGANDO O CAPITAL"
http://www.youtube.com/watch?v=CD6Kl79Hce4

"DER" NO ESPAÇO IMPRÓPRIO
http://www.youtube.com/watch?v=2DLlNzaOeKk


O cartaz é do Marcelo Mau Negócio:



E aguardem, em breve, Paura em Curitiba.

3 comentários:

Renan Penatti disse...

F-O-D-I-D-O DEMAIS!

queria tanto poder ir nos dois shows, vou ver se levanto uma grana e apareço...

ah, podia rolar um split D.E.R. e Morte Asceta aqui, hein?!

nile disse...

po, eu to com esse disco do andré aqui em casa, mas tô sem tocador de vinil... =\

Anônimo disse...

é nilo! po! devolve meu disco